Eu não fui certeiro na PSN

Cara. não sou Nintendista nem nada, mas a Sony, recentemente, adquiriu o péssimo hábito de me causar problemas. Não fossem os sumissos constantes de saves no meu PSP (coisa que eu desconfio que também podem ter sido causadas por meu irmão) ou as travadas sem noção no meio dos jogos ou, ainda pior, a dificuldade em se adquirir titulos decentes para o handheld, agora eu tive um problema de maior importância com a PSN Store.
Continuar lendo

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não luto pela ruas

Quem nunca perdeu uma bela tarde ensolarada de domingo jogando Street Fighter? Bem, eu não acredito em belas tardes de domingo e realmente não gosto de sol (não, eu não brilho), o que me deixa com o Street Fighter. Eu nunca fui um bom jogador, na verdade estou mais para aqueles bem chulé, sabe? Mas eu sempre adorei o jogo e perco horas nele até hoje.http://rodolfotroll.deviantart.com/art/tiger-robocop-99339019
Tudo começou quando eu tinha dez anos, meu pai confundiu o Nintendo 64, que eu pedi de aniversário, com um Super Nintendo e, duas semanas depois, minha tia conseguiu confundir Star Wars – O Retorno de Jedi, com Street Fighter… Eu realmente não sei como ela conseguiu fazer isso; “Eu só me lembrava que começava com S”.
Bem, MUITO de contragosto eu fui testar o meu novo game, já que eu já tinha fechado Super Mario World umas três vezes naquela semana (sim, eu sei que eu sou um nerd escroto).
Mas não é contar a história da minha vida que estou aqui… De quem já jogou Street Fighter, quem nunca inventou os nomes dos golpes dos personagens que não conseguíamos entender?
Eu já fiz muito isso, aliás, ainda faço!
Na minha opinião é impossível o Ryu (ou o Ken) dizerem Tatsumaki Senpuu-Kyaku quando saem girando com os pés para o alto, ou Tiger Upercut do Sagat… Doesn’t make sense!!!
Aqui vão alguns bons exemplos:

Sagat: Tiger Shot ->> Tiger Robocop
Ryu: Tatsumasaki Senpuu-kyaku ->>Trek-Trek-Truget (já ouvi Apet-Pugen, também)
Guile: Sonic Boom ->> Alex Full (ou também Mullet Full)
Dalshim: Yoga Fire ->> Buga Vai
Dalshim: Yoga Flame ->> Buga Vem

Esses são os que eu me lembro de ter inventado, pode ser que a coisa fique ainda mais estranha…
Mais alguém teve uma infância produtiva, como a minha?

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não curto mais cinema

Não quero passar aqui como um entendido, nem nada… Aliás, meus conhecimentos sobre o assuntos são bem rasos, mas acabei notando nessas ultimas semanas e idas ao cinema que eu me divertia bem mais quando não entendia nada sobre filmes…

Isso ficou bem claro nessa ultima semana, quando eu fui com minha noiva assistir ao filme Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton, e sai da sala reclamando que o filme tinha me decepcionado, o que realmente aconteceu. Minha noiva, que me xingou horrores por causa da minha opinião, tava falando merda até essa tarde e o pessoal da sala me olhava feio, conforme eu ia citando as falhas que eu vi no filme, isso sem contar as mensagens de ódio explicito que venho recebendo ultimamente.

Mas realmente é um fato que eu não me diverti. Antigamente eu conseguia entrar em uma sala de cinema, ou alugar um DVD, ou mesmo assistir à um filme na TV e me divertir, esquecer as características que tornariam aquele filme digno de um Oscar ou os erros de direção ou produção, mas hoje eu vejo um filme e aprecio, ou, mais comumente, não, a habilidade do diretor de conduzir a história, a criatividade do roteirista de adaptar aquilo pras telonas, os atores… Não tem mais tanta graça! Vez ou outra eu encontro uma obra de arte por ai, como um Be Kind Rewind ou um Guerra ao Terror (f#da, BTW)… Mas a maioria não passa de Avatares, lindos, mas extremamente razos, e ai de quem falar que aquilo ali não é Pocahontas!!!

Me lembro de ter ido ao cinema em 2003 e ter assistido Matrix Revolutions e ter achado que acabar de assistir o melhor filme da minha vida! A luta do Neo com o Agente Smith e tals, tudo muito bonito… Essa semana eu cometi o erro de comprar a trilogia em Blu-Ray e me arrependi. O primeiro é realmente muito bom, cheio de filosofia e significado “Take the blue pill or the red pill…”, o segundo dá até pra perder duas horinhas se entretendo com a história fraquinha, mas o terceiro… Revolutions? Realmente, de revolução aquilo ali não tem nada, é fraco, mal feito, mal dirigido e mal produzido… Cartão vermelho para os irmãos Wachowski. Estou até agora tentando entender o que eles fizeram ali… MAS ESSE NÃO É O PONTO!!!

O ponto é: antes eu não ligaria pra isso, eu me divertiria com mais um filme de ação sem sentido feito para as pessoas desligarem os cérebros e curtirem! Eu não consigo mais fazer isso, e esse é um problema que, com alguma frequência, agora, me aflige.

Caio sente falta de se divertir vendo coisas tolas como os filmes do Ben 1o.

8 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não acredito no mundo subterrâneo

Tinha tudo para dar certo: Tim Burton, Johnny Depp, Anne Hathaway e uma história incrível de contexto sombrio e anarquico. Mas não deu.

Estaria mentindo se dissesse que odiei o filme, mas estou, ao mesmo tempo, longe de ter adorado. Junto com a roteirista Linda Woolverton, Burton falha ao tentar fazer o que seria a parte mais importante da trama: transportar o espectador para o mundo fantasioso do País das Maravilhas, jogando imagens bonitas na cara de quem está assistindo sem realmente tentar fazer com que sentíssemos o que os personagens sentem.

A história se passa 13 anos após a primeira aventura de Alice (Mia Wasikowska) pelos país das Maravilhas, aqui chamado de Mundo Subterrâneo. Agora com 19 anos, a jovem possui uma linha de pensamento que não exatamente agrada as pessoas a sua volta. Se vendo em meio a uma proposta de casamento a jovem foge e, sem perceber, segue o coelho de casaco até o País das Maravilhas, que está sob o comando da Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter).

Em sua redescoberta deste mundo ela acaba encontrando com personagens familiares como o Chapeleiro Maluco (Johnny Depp), o Gato (com a voz de Stephen Fry) e a lagarta Absolom (voz de Alan Rickman), e não tão familiares como o Valete (Crispin Glover).

Uma das melhores coisas do longa é o Chapeleiro Maluco, tanto em sua interpretação, quanto em seu visual, levando-nos a realmente sentir algo pelo Chapeleiro, que passa de momentos de absoluta loucura para pontas de moderada melancolia. O chato é que todos os traillers e posteres promocionais nos passam uma imagem errada de que o Chapeleiro teria uma participação maior no filme, o que não acontece…

Em contra partida a interpretação extremamente afetada e cheia de “cacos” de Anne Hathaway, como a Rainha Branca, passa por momentos de bizarrice a chega a alcançar o medonho, com trejeitos extremamente forçados para a personagem, que acaba passando por mais uma figura que não cativa.

Já a química existente entre Helena Bonham Carter e Crispin Glover é algo que realmente vale a pena: nos papeis de Rainha Vermelha e Valete a pseudo relação mantida entre os dois trás tons de graça e são alguns dos poucos momentos do filme em que a diversão ultrapassa os limites do tédio.

Com um roteiro arrastado e muito focado em transformar Alice mais em uma Choosen One do que em uma figura carismática que nos transmite seu medo do desconhecido o filme falha de maneira feia em nos manter presos a história.

Até mesmo a trilha sonora promocional do filme, que poderia ter mudado drasticamente o ritmo da história foi desperdiçada, sendo apenas utilizada nos créditos, com Almost Alice, por Avril Lavigne.

É realmente uma pena ver um dos filmes mais esperados do ano acabar assim, em uma poça de marasmo.

Caio desejou ter caído numa toca de coelho depois de ter assistido esse filme…

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não sou MACFag

Essa é uma frase que eu estou mais do que cansado de ouvir…

Eu sou, muito orgulhosamente, usuário de MAC, tenho dois portateis e um desktop com a bela maçãzinha estampada em sua carcaça e não troco os meus nênens por nada. Não que eu seja algum tipo de xiita(acho que é assim que se escreve) que não usa nada além disso, muito pelo contrário, tenho o Windows 7 e o Umbuntu instalado em dois deles e não me arrependo nenhum pouco disso, o conhecimento da variedade faz o bom usuário (e o bom desenvolvedor). Na verdade eu até ando usando muito mais o Windows 7 do que o próprio MAC OS.

Mas então por que diabos não usar um PC logo de uma vez?

Simples: eu não posso usar o MAC OS em um PC e esse é simplesmente o meu sistema operacional favorito. Não apenas pela estabilidade, mas pelos recursos oferecidos pelo MAC.

Sou desenvolvedor JAVA, podcaster, blogueiro, viciado em músicas e filmes e, por ultimo, mas não menos importante, não suporto ver meu computador travar (tenho pavor da tela azul da morte!)

TODOS os meus MACs, não somente a edição Professional ou Home vêm com as ferramentas que me permitem manter todos os meus trabalhos em dia, sem precisar me preocupar com downloads e versões. É uma coisa universal.

Tenho o kit de desenvolvimento do IPhone em todas as minhas máquinas, uma ferramente que me permite programar desde C puro, até mesmo JAVA, sem nem ao menos ter de abrir um novo programa.

Tenho o PodCaster e o GarageBand, que me permitem a gravação de podcasts em tempo real, com diversos números de participantes, a edição fácil e simples além da postagem, sem precisar me preocupar se eu sei ou não o que estou fazendo, o programa me guia pelo caminho mais fácil e seguro, para não perder o que estou fazendo.

O IWeb gera páginas web e faz o upload das informações que eu escrevo para meus blogs, sem que eu precise me preocupar em entrar e logar no blog proprimanente dito.

O Itunes é simplesmente o melhor gerenciador de midias que eu já usei, organizando minhas músicas, videos e podcasts com um simples arrastar, criandi automaticamente pastas no sistemas com essas mesmas músicas e até mesmo facilitando minha vida, no caso de eu resolver deletá-las.

E, o melhor de tudo, o que torna a vida de toda “MACer” extramente fácil, pelo menos se ele estiver disposto a gastar alguns míseros dolares por mês para ter: o Mobile.Me. Um sistema de sincronização online da Apple que une todos os seus computadores, desde que estejam todos logados na mesma conta, sincronizarem seus arquivos. Isto é, se você viajar e preciar de um arquivo que está no seu desktop em casa ou no escritório, tudo o que você tem que fazer é logar na sua conta do Mobile.Me e buscar esse arquivo no HD da outra máquina, sem se preocupar. Quando você tem muitos arquivos, espalhador por muitas máquinas, isso é mais do uma simples ajuda, é um salvador de vidas.

Existem muitas outras razões que me fazem preferir o MAC, como a gostosa acima, ou o fato de ser mais bonito, mais anatômico e até mesmo mais chamativo, uma vez que eu REALMENTE gosto de chamar atenção, mas os principais estão listados logo acima. Então, se você não gosta de MAC, tudo bem, mas não me diga que só bichas usam MAC, quando você tem tantos recursos à sua disposição.

E, se por algum acaso, você me vier com a ladainha de que no Windows também dá pra fazer, lembre-se do meu primeiro argumento: tudo isso já vem no MAC como configuração standard, nada de ter que caçar na net, como você faria com seu PC.

Caio realmente acha que vale a pena ser chamado de gay pra ter um sistema que lhe traga tanta conveniência.

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não me chamo Alice… Nem quase isso!

Olha eu aqui de novo!!!

Como é de conhecimento geral (se você não sabe então você não tem o direito de estar aqui) eu sou o que os mais entendidos chamam de tênis verde ou, como os leigos dizem, cinéfilo. Eu sou o tipo de cara que vai no cinema e não sai elogiando os efeitos especiais, mas reclamando que o diretor não conseguiu manter o ritmo, ou que os produtores falharam na seleção dos elementos e que os atores não fizeram o que deveriam fazer: atuar.

Mas, em especial, eu gosto de reparar numa coisa: a trilha sonora. Cara, como eu sou chato com trilhas sonoras…

Mas eu não estou aqui para reclamar, o que costumo fazer com determinada frequência, mas para recomendar!

Para aqueles, que assim como eu, adoram a trilha sonora e sabem que, apesar de todo esforço do pessoal de roteiro e de efeitos, o que realmente define o clima de uma cena em um bom filme é uma boa trilha sonora, eu gostaria de recomendar Almost Alice, a trilha sonora do filme Alice no País das Maravilhas. É simplesmente perfeita!

Mesmo o filme ainda não tendo sido lançado já é possívelm imaginar cada cena, só de ouvir a trilha, espcialmente se for ouvida na ordem certa. Ouvindo Tea Party, gravado por Kerli, você realmente imagina Alice na festa do chá, do chapaleiro maluco, ou Always Running out of Time, do Motion City Soundtrack, a imagem de Alice correndo atrás do Coelho fica clara em sua mente… Mesmo se você não entender uma palavra de inlês: a música simplesmente cria o clima perfeito para a cena!

O CD com a trilha sonora possui 16 faixas e foi gravado por artistas como Avril Lavigne, The All American Rejects e 3oh!3, com a participação de Neon Hitch. Ainda não está a venda no Brasil (eu comprei o meu na iTunes Store), mas começará a ser comercializado ainda essa semana, e não custará mais do que R$30,00, o que é muito pouco para uma OST, ainda mais uma desse porte.

E, mesmo que você não goste de cinema, ou não entenda o valor de uma trilha sonora para a obra, o simples prazer de ouvir música de qualidade deve bastar.

Caio REALMENTE acredita que Tim Burton tem um pacto com alguma criatura das trevas, para sempre acertar desse jeito.

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não volto pro Caribe

E a Disney insiste…

Tudo bem, já está mais do que provado que tudo o que os caras tocam vira ouro e que a palavra “burrada” tem o significado em branco no dicionário dos caras. Mesmo a coisa horrível que foi Piratas do Caribe: no Fim do Mundo, ainda fez um tremendo sucesso.

E agora, após a confirmação do próximo filme da série e de todos os problemas com a troca de diretor e os conflitos internos, recebemos a noticia de que o vilão da série já foi escolhido: o Barba Negra! E o pirata mais malvado dos sete mares será interpretado por Ian McShane!

O ator inglês de 68 anos já possui experiência em interpretar vilões, ou ao menos a voz deles. Em 2007 ele fez a voz do Capitão Gancho, no filme Shrek Terceiro (um outro filme fraquíssimo) e em 2008 foi a viz de Tai Long, na animação Kung Fu Panda, além de já ter feito algumas pontas no desenho Bob Esponja Calça Quadrada.

Apesar da dificuldade em acreditar que um quarto filme da série possa trazer novamente o brilho de outrora, com a notícia de que Ian McShane estará a bordo do Vingança da Rainha Anne nossas esperanças se renovam. Teremos que esperar para termos certeza.

Johnny Depp também estará de volta, encarnando o já conhecido Jack Sparrow e uma outra surpresa é o anuncio de que Penelope Cruz também estará no longa, apesar de não se saber ao certo qual será seu papel na trama.

A história será baseada no livro de Tim Power e focará na busca pela fonte da juventude, o que poderia ser uma excelente de continuar as aventuras de Jack Sparrow, uma vez que a mesma foi mencionada no ultimo filme. Esperemos que o trabalho de Rob Marshall esteja a altura do legado de Gore Verbinski.

Cai0 está terrivelmente excitado com a escolha do vilão.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Eu não fui a Segunda Guerra

De acordo com o site Comic Book Movie, aparentemente, o posto de Capitão América no longa do herói já foi ocupado. E o dono é Robert Buckley.

O ator de 29 anos trabalha, atualmente, na série da CW One Tree Hill e já fez parte do elenco de Lipstick Jungle, da NBC.

Essa informação ainda é um rumor, não exista nada confirmado pelo estúdio e a informação, muito provavelmente, só será liberada em meados da próxima semana, mas a fonte que liberou a informação é conhecida por ser certeiro quantos as informações da Marvel Comics.

É, tipo, como uma perfeita tempestade de nerdisse, que me encontra bem no meio de um tempo disponível. E logo quando eu meio que redescobri quadrinhos, agora que eu encontrei Amazon.com. Eu fui fora de controle. Se você me perguntar quais são meus livros favoritos, seria como pedir a uma mãe de escolher o filho favorito. Quero dizer, com certeza, ela pode, mas ela nunca poderia vai isso publicamente, porque isso iria apenas fazer com que todos se sentem mal. Mas, sério, eu sou um grande fã do Capitão América e … vamos ver aqui. Não posso simplesmente listar os títulos da Marvel dos quais gosto, porque vai parecer que eu estou sendo apenas um exibido, eu poderia apenas citar BATMAN: HUSH ou FABLES…” comentou o ator, sem confirmar ou não se fará o papel do herói patriota.

Alguns pontos a se considerar sobre o ator:

-Ele se encaixa perfeitamente quanto a altura, tipo físico e idade do herói;

-É relativamente desconhecido, o que é exatamente o que o diretor Joe Johnston procurava;

-E o cara é, definitivamente, fã de quadrinhos… Quem você conhece que curta BATMAN: HUSH ou FABLES?

Caio realmente acha que essa é uma excelente idéia!

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Eu não sou sexy, sou nerd

Lambda, Lambda, Lambda, nerds!!!

Aqui NÃO é o Alexandre Ottoni e este NÃO é o Jovem Nerd!!!

Bom pessoal estou aqui, hoje, para falar sobre nós, essa espécie hoje não tão rara, mas, nem por isso, menos especial, os NERDS, e porque somos tão amado e odiados pela sociedade!!!

Sim, caso vocês não tenham notado o casting do blog é composto pura e simplesmente de nerds e nós não temos a mínima vergonha disso!

Ao contrário do que muitos imaginam, ser nerd não é ser aquela figura bizarra que existe em toda classe, aquele cara que sabe praticamente tudo sobre todas as matérias, que vive de estudar e que, além de não demonstrar interesse, não tem jeito nenhum com as mulheres. O Sheldon de The Big Bang Theory é o mais perfeito exemplo do estereótipo do que as pessoas comumente conhecem como nerd. Elas não poderiam estar mais erradas… (ao menos no meu conceito).

Nerd é aquela pessoa que nutre algum tipo de paixão por qualquer coisa, normalmente cult, e que não mede esforços para estar sempre à par de tudo o que acontece nesse universo. Podemos citar exemplos como: nerds de Star Wars, de Star Treck (Treckers), de Senhor dos Anéis (Tolkians), de Arquivo X, de video games (gamers) ou de computadores (geeks).

Essas pessoas não precisam ser necessariamente os caras mais inteligentes da classe, não precisam ser gênios da matemática ou, muito menos, terem se tornado mestres em física nuclear antes dos 25. Eles simplesmente precisam gostar muito desses universos. A ausência de vida social é uma escolha individual e muitos dos nerds que conheço a possuem. Alguns deles são até alcoólatras, por increça que parível!

Ai vem você: Mas os nerds que eu conheço não são asism…

Sinto te informar que você, então, não conhece nenhum nerd de verdade… Para ser sincero você conhece alguma pessoa escrota que talvez, apenas talvez, não merece a sua consideração… O nome dele talvez até seja Andrews!

E, para aqueles que são mais céticos, venho lhes falar de mulheres… E homens também!

Sim, nós nerds somos amados, desejados e até cantados. Muitos têm namoradas (os), muitos são casados e, em uma quantidade que parece ser absurda, existem ainda aqueles que se enquadram no grupos dos pegadores! Não é por sermos nerds que deixamos de ser humanos ou que nos tornamos repulsivos, na verdade muitas garotas/garotos nos preferem… Existem camisetas para afirmar isso!!!

Talvez isso não tenha te feito mudar de opinião… Talvez eu tenha até piorado a sua visão a nosso respeito, mas sabe de uma coisa??? EU NÃO DOU A MÍNIMA!!!

Caio acha que ser nerd é o novo cool…

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Eu não piloto carros por USB

Cara, aqui estou eu de novo para falar sobre cinema!!!

Velozes e Furiosos (e provavelmente cansados) 5 já foi confirmado pela Universal e está com a corda toda! Nada contra a franquia, na verdade adorei desligar meu cérebro e curtir as cenas de corrida dos outros quatros, mas quando uma série chega no seu quinto filme, sempre contando a mesma história, é porque algo realmente precisa ser revisto…

No quinto filme da franquia de sucesso, Brian (Paul Walker) e Dom (Vin Diesel) continuam a tramar contra a lei, mas dessa vez vão ser atrapalhados por um xerife escrotizador. Existe ainda o boato de que o filme se passará no Brasil, mas nada foi confirmado ainda.

O filme terá direção de Justin Lin (Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio e Velozes e Furiosos 4) e terá suas gravações iniciadas no final do ano, com estréia prevista para 2011.

Era para este ser o último (filme). Não era para ter aquele final aberto como aconteceu. Quando li o roteiro, pensei: ‘Cara, olha só o que eles estão fazendo…’. Mas, sem dúvida, do jeito que o filme acabou, Vin (Diesel) e eu devemos voltar. Vamos fazer o quinto filme e vamos para o Brasil! É isso”, disse Paul Walker.

Na mesma linha de anúncios nós temos também um anúncio da FOX e de James Cameron sobre uma continuação para o sucesso Avatar. Segundo o site Holywood Reporter o anúncio foi feito por Rupert Murdoch, presidente da NewsCorp (empresa dona da 20th Century Fox). Segundo Murdoch o processo de negociação para que Cameron assuma a direção do segundo filme já estão em andamento que o diretor possui algumas idéias para o filme.

Cameron, que já teria informado que planejava não uma, mais duas continuações para o longa, diz que o mais complicado para a concretização do projeto já havia sido alcançado: obter a tecnologia que tornaria Pandora tão real quanto o nosso mundo, e que a partir de agora o projeto deve se encaminhar de maneira mais acelerada.

E não contentes…

Além da troca de Sam Raimi por Marc Webb na direção do quarto filme da saga do cabeça de teia, a Sony vem agora mostrando interesse cada vez mais crescente em alguns astros mirins, para substiruir Tobey Maguire (Seabiscuit).

Segundo o site Acces Holywwod, o escolhido seria ninguém menos do que Logan Lerman (Percy Jackson e O Ladrão de Raios). O ator ainda tem 18 anos e é ainda bastante desconhecido, o que interessa muito tanto à Sony, quanto à Marvel, que decidiram dar um reboot na série, recontando a história do Aranha, levando-o de volta para o colegial.

Tem havido algumas discussões e é definitivamente algo que eu estou querendo. É um dos meus personagens favoritos e eu sou um grande fã da série. Eu adoraria conversar mais sobre isso. Eu estou muito interessado no papel”, revela o Lerman. “As conversas estão começando. É um processo longo com o estúdio, os produtores e tudo mais. Mas é definitivamente um projeto que estou realmente interessado, é claro. Gostaria de focar no elemento humano um pouco mais. Vai ser uma experiência divertida”.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized